terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A Pré História em texto.



Considera-se a Pré-história como o período que compreende a atividade humana desde suas origens até o surgimento da escrita. Emprega-se essa denominação desde o século 19, pois, naquela época, acreditava-se que a história de qualquer sociedade só poderia ser documentada através da escrita.
Hoje, para os historiadores, outras fontes, como as imagens ou os relatos orais, são tão importantes quanto a escrita no processo de resgate da história de um povo ou uma sociedade. De qualquer maneira, para delimitar os períodos, o advento da escrita passou a marcar o início da história. Portanto, as sociedades que não dominavam essa técnica ficaram conhecidas como pré-históricas e aquelas que sabiam ler e escrever passaram a ser chamadas de sociedades históricas.
Convém lembrar, no entanto, que a escrita não surgiu a um só tempo em todo o mundo. Enquanto alguns povos do Oriente Médio, como sumérios e egípcios, chegaram à técnica da escrita há mais de 5 mil anos, muitos povos da Europa só o fizeram com a expansão do Império Romano, ocorrida a partir da metade do século 1 a.C.
Aborígenes e indígenas
Além disso, ainda hoje existem agrupamentos humanos que desconhecem a escrita: sua vida social organiza-se em moldes mais próximos daqueles do homem de Cro-magnon do que dos nossos. Esse é o caso dos aborígines que habitam o interior da Austrália e de alguns povos indígenas do Brasil. A ideia de uma Pré-história, nesse sentido, aplica-se melhor a um estágio das civilizações do que a uma determinada época.
Assim, entendemos melhor a Pré-história em seu aspecto social, ao pensarmos em agrupamentos humanos e não em sociedades complexas; em seu aspecto cultural, ao nos referirmos ao que o homem produziu para abandonar a barbárie e atingir a civilização; e em seu aspecto biológico, quando se estuda a evolução das variadas formas de vida animal e vegetal existentes antes de as espécies vivas adquirirem a conformação que possuem atualmente.
Os pesquisadores da Pré-história
Os estudos da era pré-histórica é interdisciplinar e requer o trabalho de muitos especialistas. Por meio de escavações e pesquisas, os arqueólogos estudam os vestígios materiais (pontas de flechas, esculturas, ferramentas) e a partir disso descobrem informações sobre a vida do homem na Pré-história.
Por sua vez, os geólogos contribuem com o estudo das formações do solo nos locais onde se realizam escavações. Procuram reconstituir o terreno, o clima e a paisagem onde viveu o homem do passado. São auxiliados pelo trabalho dos botânicos, que analisam os restos vegetais fossilizados (sementes, folhas, polens).
Já os antropólogos estudam os fósseis humanos, pesquisando o homem pré-histórico em seu aspecto físico para traçar a "história" de sua evolução, indicando suas etapas. No âmbito cultural, eles podem, por meio da observação de povos primitivos atuais, elaborar hipóteses, por analogia, sobre o modo de vida do homem do passado, contribuindo. Neste último sentido, talvez seja melhor falar em etnólogos, deixando o título de antropólogo àqueles que se dedicam aos fósseis ossos, à antropologia física.
Paleontólogos e bioquímicos
O estudo dos fósseis animais fica por conta dos paleontólogos, que podem reconstituir a fauna da época, além de determinar, por exemplo, o tipo de bicho que era caçado por certo agrupamento humano no lugar onde se desenvolve a pesquisa. Com seus conhecimentos de radioatividade, os físicos e os químicos utilizam tecnologia avançada para determinar a idade de um fóssil ou um objeto, descobrindo, assim, a qual período histórico ele pertence.
Finalmente, os bioquímicos e os biólogos analisam características genéticas dos seres humanos e de fósseis de diferentes localidades para encontrar explicações sobre como se processou a evolução da espécie humana.
Fonte: http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/pre-historia

Nenhum comentário:

Postar um comentário